CEDAPS | Centro de Promoção da Saúde

MENU MENU

Notícias

27 de janeiro, 2017

Mulher trans realiza trabalhos com jovens LGBT em favelas

Organização criada na Nova Holanda, na Maré, atua diariamente na diminuição de preconceitos

Gilmara@

Gilmara Santos, mulher trans e moradora da Maré, há 10 anos desenvolve trabalhos a curto, médio e longo prazo com jovens LGBT na Nova Holanda, uma das favelas da Maré. Lá ela fundou o Conexão G, organização voltada para o público LGBT de favela, que sofre ainda mais preconceito nesses espaços devido ao conservadorismo de seus moradores. A organização realiza uma série de atividades nas áreas de promoção da saúde e Direitos Humanos e dessa forma estreitou laços com o CEDAPS e integra a Rede de Comunidades Saudáveis.

Ao longo dos anos, o projeto se estruturou pensando na construção de um quadro politico que pudesse representar os moradores de favela LGBT, em busca de igualdade na sociedade e na comunidade. “Nos tempos atuais, o preconceito é algo que não tem como mensurar. A violência no asfalto é diferente da vivida na favela, mas há o preconceito de se ser LGBT ou trans nos dois espaços. Nas favelas, há um retrocesso das políticas públicas, o que dificulta o diálogo. Por meio de eventos, seminários dentro da temática LGBT, tentamos implementar ações que atendam essa população nesses territórios”, observou.

“Ser mulher trans é travar uma luta cotidiana e reivindicar pela sobrevivência. O dia de visibilidade trans é de extrema importância porque demarca o nosso espaço a nível municipal, estadual e federal, mas para quem vive na favela, um dia ou uma semana não dão conta para nos dar voz. A luta LGBT é cotidiana e incansável no asfalto, e muito mais na favela, e a gente continua o processo diário de sensibilização”, concluiu.